O que acaba com as Startups?

Todos nós já ouvimos a estatística de que a metade de todas as startups falham nos seus primeiros 5 anos. O número real é ainda mais preocupante. Em um estudo com empresas norte-americanas formadas em 1998, apenas 44% continuavam a existir quatro anos depois, de acordo com o Small Business Administration.

Risco e Recompensa

O que queremos dizer quando falamos de risco? Simplificando, o risco existe em qualquer situação em que há uma possibilidade de um resultado que queremos evitar.

Circunstâncias imprevistas e suas consequências negativas são a própria essência do risco. Se pudéssemos prever o futuro, não teríamos incerteza e consequentemente não teríamos o risco.

O risco nos rodeia. O outro lado do risco é a oportunidade. Existe uma relação direta entre risco e recompensa: quanto maior o potencial de valorização, maiores são os riscos envolvidos. (Observação: vale a pena notar que o inverso não é necessariamente verdade: situações que envolvam grande risco, na maioria das vezes, tem pouco ou nenhum potencial de valorização. Não faz sentido correr estes riscos.)

Para os empreendedores, isto significa que se você quiser ter uma chance para obter o sucesso, você precisará correr certos riscos. Empreendedorismo não é fácil, você terá que assumir riscos significativos ao seu negócio. E é exatamente por isto, que mais da metade de todas as startups falham dentro de poucos anos.

Mesmo o risco sendo parte integrante do empreendedorismo, ele não deve ser objeto de todo o seu esforço. Grandes empresários lidam com os riscos dando atenção especial e gerenciamento efetivo.

A estrutura do Gerenciamento de Riscos

Gestão de Risco é a arte e a ciência de pensar sobre o que poderia dar errado, e o que deve ser feito para mitigar os riscos com certo grau de custo/benefício.

Para identificar os riscos, e descobrirmos a melhor forma de mitigá-los, primeiro precisamos de um quadro de classificação dos riscos.

Todos os riscos têm duas dimensões: a probabilidade de ocorrência e a severidade das potenciais consequências. Estas duas dimensões formam quatro quadrantes, que por sua vez nos sugerem como podemos tentar mitigar estes riscos.

Uma vez que sabemos a gravidade e a probabilidade de um determinado risco, podemos responder a pergunta: Será o que o benefício de mitigar o risco, supera o custo desta ação?

Identificando e mitigando as ameaças das empresas

As empresas entram em estagnação quando o dinheiro acaba e o total do passivo circulante (contas a pagar) excedem os ativos líquidos. A gestão de risco atua justamente na identificação e mitigação das incertezas – especialmente nas ameaças que rondam o fluxo de caixa.

As incertezas assolam as empresas de inúmeras maneiras, e podemos agrupar estas incertezas em algumas categorias. Estas categorias não são as únicas e também não são mutuamente excludentes. Alguns riscos poderão abranger mais de uma categoria, ou várias. Vejamos alguns exemplos:

Riscos de Mercado

Os riscos de mercado referem-se a possibilidade ou não de haver demanda suficiente para o produto que você tem a oferecer, no preço que sua empresa definiu. Muitos inovadores morreram sem alcançar sua meta, agarrados a crença de que o mercado iria bater a sua porta, perguntado se eles tinham um produto melhor.

As 500 empresas mais bem colocadas no ranking da Fortune, gastam bilhões em pesquisa de mercado, e a cada ano eles criam produtos que de imediato são um fracasso. Por outro lado, em 1943, o presidente da IBM supostamente previu, “Eu acho que existe um mercado mundial para talvez, 5 computadores”.

A menos que você venda uma mercadoria, uma commodity, não existe uma maneira fácil de saber como o mercado vai receber um novo produto. Feedback dos amigos, levantamento dos potenciais clientes, testes com grupos focais, e testes beta são técnicas úteis para ajudar a avaliar a aceitação do mercado. No entanto, ninguém – nem você, seu melhor amigo ou seu patrocinador – podem saber com certeza se as pessoas vão gastar dinheiro com a sua solução, até que você realmente tente vendê-la.

Uma maneira que os empresários têm para mitigar o risco do mercado é evitar a perfeição. É uma falácia pensar que um produto nunca vai ser “acabado”, no sentido de que ele irá fazer todos os consumidores plenamente felizes. Quando um produto se torna bom o suficiente para fazer algum cliente razoavelmente feliz, pesquise no mercado onde isto está acontecendo e comece a gerar mais vendas, aumentar o caixa, e escutar os feedbacks.

Como Steve Jobs disse em “Real artists ship”: até que os clientes reais comecem a usar e a falar do seu produto real – ao contrário dos protótipos que você usou para trabalhar com os grupos focais – você não tem como saber se o que você está fazendo é certo ou errado. Entregue o produto, observe, melhore e entregue novamente.

Riscos competitivos

Cada empreendimento tem mais concorrentes e menos vantagens competitivas. Se você ganhou dinheiro atendendo a necessidade de seu consumidor (existe alguma outra maneira de ganhar dinheiro?), você pode ter certeza que muitos outros já tentaram e não conseguiram.

Para se manter à frente da concorrência, você deve perguntar continuamente a seus amigos de confiança e a você mesmo: o que os outros podem fazer para me derrotar, e baseado nesta resposta, desenvolver e melhorar suas defesas. Conheça seus pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças – a análise SWOT, não é somente um exercício da escola da Administração. Descobrir o que você faz de melhor do que todos os seus concorrentes, em se tratando de preço, características do produto, qualidade ou alguma outra vantagem, e potencializar ainda mais isto para manter vantagem.

Tecnologia e riscos operacionais

Uma coisa é você dizer que está indo para o negócio de fabricação e venda de widgets. Outra coisa bem diferente é dominar a mecânica de fabricação e venda de widgets.

Tecnologia e riscos operacionais, cobrem tudo que ter a ver com a execução. Sua equipe consegue finalizar o desenho de um produto com um orçamento de P&D limitado? Será que o seu produto irá funcionar conforme o esperado? Você tem a sua disposição fornecedores confiáveis? Você tem conhecimento para fabricar? Você pode otimizar a logística de distribuição do produto? Você pode criar uma infraestrutura de suporte para o produto? Será o que seu firewall pode impedir que hackers roubem os números de carão de crédito dos seus clientes virtuais? Você tem um plano de backup para manter a sua empresa funcionando, caso um acidente destrua os servidores do seu data center?

Erros são inevitáveis, todos nós aprendemos com os nossos erros e isto nos torna melhor ao longo do tempo. Aprender com os erros do passado é importante, mas se você realmente quiser aumentar a sua chance de sucesso, inspire-se em pessoas que já obtiveram sucesso no passado.

Riscos financeiros

O fim da linha para qualquer tipo de negócio é quando ficamos sem dinheiro. Quando se é empreendedor, em determinados dias essa sensação de estar ficando sem dinheiro é frequente.

Para iniciantes, o maior risco financeiro decorre de não se ter um plano B, caso os investidores ou credores disserem não ao negócio (ou não dizer sim com a rapidez que se espera). Muitos empreendedores falham porque cometem o erro em apostar, que certamente irão obter financiamento externo.

Riscos financeiros não desaparecem, mesmo com o negócio estabelecido. Inúmeros fatores podem afetar negativamente o fluxo de caixa, por exemplo: os clientes podem se esquivar, e não pagar as suas faturas (risco de crédito); o custo da matéria prima pode subir; o fortalecimento do dólar pode subir o custo das operações no mercado externo; aumento da taxa de juros, elevando o custo do capital; a queda no valor das ações ou imóveis, dados como garantias aos bancos.

Risco das Pessoas

As pessoas, são ao mesmo tempo, o elemento mais importante e menos previsível de qualquer negócio.

A combinação certa, de experiência, networking e temperamento da equipe inicial do negócio, pode aumentar consideravelmente a probabilidade de se obter sucesso. Falha no recrutamento, em motivar a equipe e reter os talentos pode significar o fracasso do negócio.

Como um empreendedor, uma das mais importantes responsabilidades é estabelecer a visão da organização. É fundamental que todos apoiem a decisão do líder. Todo mundo precisa remar na mesma direção. Os integrantes da equipe precisam da capacidade de tolerar uns aos outros por pelo menos 80 horas semanais. O líder precisa gerenciar egos, mediar conflitos de personalidade, discordâncias e recursos descomprometidos.

A organização é tão forte, quanto o seu elo mais fraco. Não deixe o lado pessoal interferir no seu julgamento. O seu velho colega de faculdade pode ser um bom comerciante, mas será que ele é bom comerciante para comercializar o seu produto? Se você notar que um integrante da sua equipe não se encaixa no perfil desejado, você precisar agir rapidamente, antes que a situação piore.

Riscos legais e legislação

A lista de problemas relacionados a legislação é quase infinita: complicações fiscais decorrentes da escolha do negócio de sua pessoa jurídica, disputas judiciais devido a contratos mal elaborados, ações movidas pela concorrência alegando apropriação indébita de segredos comercias e assim por diante.

O primeiro passo para mitigar os riscos judiciais é aprender o suficiente sobre o assunto. O Guia Empreendedor de Direito Empresarial, escrito por Constance Bagley e Craig Dauchy é um ótimo lugar para começar.

O segundo passo é contar com os advogados certos – geralmente um para assuntos corporativos e outro para questões de propriedade intelectual. Você deve tê-los por perto e seguir seus conselhos quando for apropriado.

Riscos sistêmicos

Os riscos sistêmicos são aqueles que ameaçam a viabilidade de mercados inteiros, e não apenas uma única empresa dentro de um segmento. Por exemplo, aumentando as taxas de inadimplência do mercado de hipotecas, o efeito posterior é afetar as instituições financeiras de títulos, causando um profundo impacto no sistema financeiro global.

Não deixe o risco paralisar você. Os empreendedores são por definição, pessoas que assumem os riscos. Gestão de risco é uma importante vantagem competitiva. Você pode vencer as adversidades e construir um empreendimento próspero e gratificante, aprendendo a reconhecer e como mitigar os riscos.

Você pode ler o texto original em: http://www.caycon.com/what-kills-startups.php
Direitos reservados à Cayenne Consulting LCC
Tradução: Rodrigo Zambon

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>